Difficulté technique   Difficile

Durée  12 hours 37 minutes

Coordonnées 2112

Uploaded 2 mai 2008

Recorded mai 2008

-
-
190 m
-87 m
0
4,9
9,9
19,71 mn

Vu 6181 fois, téléchargé 91 fois

près de Caraparu, Pará (Brazil)

Ontem, mais uma vez fui me aventurar em um esporte com contato direto com a natureza, mas dessa vez não foi de bike.


Gaby


Na noite anterior a ansiedade era grande, era a primeira vez que iamos remar, já tinhamos comprado colete, preparado os sacos-estanque, a pochete com alguns lanches e uns utensilhos que poderiam nos ajudar e a camelbak (mochila de hidratação).


Eu, na saida


Acordamos cedo, cheio de vontade de chegar logo ao lugar e nos preparar para a remada do Caraparú, mas antes, parada obrigatória para um café da manhã reforçado no goiano (BR-316) e um bate papo com os amigos que já estavam por lá. Ao chegarmos na comunidade de Caraparú (-01 22' 17'' -48 09' 06'') encontramos os outros amigos, pegamos nossa camisa, escolhemos nosso caiaque e ficamos ali, naquele clima de confraternização e descontração com os amigos do pedal e agora do remo também!


Local da concentração


Descemos nosso caiaque a começaram os treinos, no inicio, tudo muito feio, eu remava de uma jeito, a Gaby de outro, um pra um lado e outro pro outro... imagina a briga, parecia que a gente não se entendia com o caiaque e com o remo!! Mas pegamos umas dicas com o Rodrigo, Rubinho e André e conseguimos nos sincronizar.

Agrupamos para as instruções do guia fizemos uma oração e partimos para a remada. Nos primeiros metros já comecei a pensar em desistir, achava que não ia aguentar, afinal eram 25km de rio e estamos no quilometro 4 e já estava sentindo os musculos sofrendo! Mas depois comecei a perceber que era só o aquecimento, e que já estava me acostumando com a dor e que dava pra seguir.


Fernando Lima, o rei dos mares!


No caminho, paisagens bonitas, um clima agradavel e uma correnteza favorável, além é claro da sacanagem com os amigos, uns derrubando os outros, jogando água... Aproveitei para conversar com os mais experientes e pegar umas dicas!


Gaby, mostrando toda a sua técnica!



Eu, nem tanta técnica assim!


Primeira parada em uma igreja, 15 minutinhos para esperar os atrasados e ficamos sabendo da nossa primeira baixa, o Guilherme, teve que voltar por que seu barco estava furado!


Essa foi a primeira parada.


Seguimos remando, remando, remando... até que chegamos no feijoal, mais uma parada para um lanche...


Elina MD e Gaby Adventure fazendo pose pra foto.


Mais uma vez, remando, remando, remando... parecia que não acabava nunca, começamos a ficar pra trás, ainda tinha mais umas 3 duplas atras da gente, o resto do pessoal, seguiu em frente e já nos esperavam no porto.

Eu e a Gaby, Sérgio e a Itana, Velasco Jr e a Suzane, Sylvia e o Namorido, estamos por ultimo e nas ultimas!! Faltavam ainda uns 10km e eu já não aguentava mais, minhas forças já tinham acabado, a Gaby ficava me dando forças pra continuar, me mostrando a "natureza", mas eu já não via a hora de ver aquele porto.

- Amor, olha que linda essa árvore, olha a natureza... - Dizia a Gaby.
- Natureza de C* é P*C*!!!

Eu olhava no GPS e parecia que a gente tava fazendo uns "Cês", e a correnteza, apesar de estar a favor, não ajudava muito...

Enfim, depois de longas e tenebrosas remadas, avistamos o porto e pessoal que nos esperava, mas ainda faltava chegar o barco do Sérgio e o Velasco.

Desembarcamos, carregamos o caiaque para o caminhão, e o onibus que ia levar a gente não aparecia, já começava a ficar tarde e nada do maldito onibus, informações desencontradas, uns diziam que o onibus tinha ido, mas como não encontrou ninguém ele foi embora, outros diziam que o onibus tinha ido pro porto errado, outros diziam que o motorista tava dormindo e os mais otimistas diziam que o onibus já tinha saido de lá pra nos pegar.


André, mostrando toda sua habilidade com o remo.


Não sei quem deu a ideia de irmos andando até a estrada, eram 15km de caminhada! Todo mundo se levantou e seguimos, eu já estava nas últimas, o Carlinhos carregou a minha pochete e lá fomos nos, o chão parecia não ter fim e eu ficava cada vez mais tonto, começava a anoitecer e eu comecei a sentir frio e ficar pálido, mas queria seguir assim mesmo, as minhas pernas pareciam que estavam seguindo o rumo sozinhas, por que eu já não comandava nada, também não queria falar nada (burrice minha) para não preocupar meus amigos e principalmente a Gaby, tive ância de vomito várias vezes e segurei.


Irmãos Velascos


Chegou uma certa hora que já não aguentava e um pouco antes de sentir que ia desmaiar, a Elina olhou pra mim e perguntou se eu estava bem e eu respondi que não... Alguns pararam outros continuaram, minha pressão tinha caido e eu tava fraco, comi algumas coisas, deitei no chão da estrada e fui melhorando aos poucos.

A noite começava a cair e nada de aperecer o tal onibus, resolvemos continuar andando para encontrar o resto do pessoal que já tinha seguido andando... mas eu passei mal denovo e dessa vez foi pior. Elina, Paulo, Gaby e todos os outros, me deitaram no chão e eu tremia demais, me cobriram com os coletes, camisas, jaqueta para que a temperatura do meu corpo subisse, e fui melhorando... E nada do tal onibus!

Anoiteceu, alguns pegaram carona em motos que passavam por lá, a ideia era ir até a comunidade de Caraparú pegar os carros para socorrer os que estavam pra trás, mas enquanto isso a gente no meio da estrada e as horas foram passando...

Voltamos a pé até uma comunidade que serviu de apoio e ficamos por esperando o "resgate". O Pacoval e a Altair logo providenciaram uma refeição para os "desalojados" e um café quentinho. Por volta das 22h chegou um caminhão e socorreu todos! Graças a Deus tudo ficou bem, e ninguém teve nada grave!

Nessas horas é que pensamos o quanto é bom lembramos sempre de levar algumas coisas básicas que em horas de apuros podem ajudar bastante: Lanterna, faca, comidas, isqueiro... enfim, agora eu já sei, sempre que partirmos para uma aventura, vou levar o kit de sobrevivência!

Vou aproveitar para agradecer a algumas pessoas.

Elina, por ter cuidado de mim, Dr. Paulo, por ter me socorrido, Velasco Jr, por ter ido buscar o meu carro, Carlinhos Helfer, por ter carregado minha pochete (estava pesada, eu sei!), Pacoval e Altair, por ter feito o lanche pra galera, Fernando Lima, pelo bom bate-papo, Itana, pelo carinho, Sérgio, pelas brincadeiras sem-graça nas horas mais inapropriadas, e principalmente a Gaby, pela preocupação comigo!

Quando vai ser a próxima aventura??

http://www.bacudesunga.com.br/2008/05/eart-ii-remada-do-carapar.html






View more external

Commentaires

    You can or this trail